Conheça Daliyah, a menina de 4 anos que já leu mais de 1.000 livros

De acordo com seus pais, antes mesmo de nascer, Daliyah Marie Arana já estava aprendendo a ler.

Daliyah Marie Arana

Enquanto estava grávida de Daliyah, sua mãe lia para seus outros filhos todos os dias. Quando Daliyah era bebê, ela ouvia seu irmão mais velho ler em voz alta, em sua casa, em Gainesville, nos Estados Unidos. E, mais ou menos com um ano e meio, ela já reconhecia as palavras nos livros lidos pela mãe.

“Ela queria ler por conta própria”, afirmou sua mãe Haleema Arana, em uma entrevista ao The Washington Post. “Esse foi meio que o início de tudo. Quanto mais ela aprendia as palavras, mais ela queria ler”.

Não foi surpresa alguma quando, aos 2 ano e 11 meses – idade em que a maioria das crianças mal compreende o conceito de que o texto carrega uma mensagem – Daliyah leu seu primeiro livro sozinha.

Hoje com 4 anos de idade, Daliyah já leu mais de mil livros, e até mesmo alguns textos de nível acadêmico. As habilidades de leitura e a paixão por literatura desta garotinha impressionaram a líder da biblioteca nacional, Carla Hayden, a 14ª Bibliotecária do Congresso. Na quarta-feira, 11 de janeiro, Carla recebeu Daliyah na Biblioteca do Congresso, dando a ela a chance de acompanha-la como ‘bibliotecária por um dia’. Usando óculos, vestido cor de rosa e um laço da mesma cor, Daliyah caminhou pelos vastos corredores da maior biblioteca do mundo e sentou nas mesas de reunião – como uma bibliotecária importante.

Carla Hayden, que entrou para história como a primeira mulher e a primeira afro-americana a dirigir a biblioteca do país, compartilhou no Twitter fotos da visita de Daliyah na conta oficial da biblioteca. Uma das fotos mostrava Carla e Daliyah caminhando lado a lado, com as mãos para trás, daliyahe Daliyah olhando para Carla com um olhar de encantamento.

“Ela dizia o tempo todo que a Biblioteca do Congresso era a sua biblioteca preferida no mundo inteiro”, afirmou Haleema Arana.

É claro que a pequena devoradora de livros já está acostumada com as bibliotecas. Em sua declaração ao Gainesville Times, Daliyah disse que tem seu próprio cartão de acesso, e visita a biblioteca local regularmente, a Hall County Library, em Gainesville.

“Gosto de pegar livros todos os dias”, afirmou Daliyah. “E também quero ensinar outras crianças a lerem desde pequenas”, disse ao Gainesville Times.

Através do programa “1.000 livros antes do Jardim de Infância” (1.000 Books Before Kindergarten), Haleema Arana teve a ideia de começar a contar o número de livros lidos por Daliyah. Ela tinha cerca de 3 anos na época, e já tinha lido quase mil livros com a ajuda da mãe. Desde então, Daliyah já cumpriu a meta de mil livros e deseja atingir a marca de 1.500 ao entrar no ensino fundamental, no próximo outono. Ela espera “ajudar a professora a ensinar as outras crianças a ler”.

Seus pais nunca testaram seu nível de leitura, mas Daliyah consegue ler sozinha os livros que seus irmãos de 10 e 12 anos trazem da escola, buscando ajuda apenas quando trava em uma palavra grande, diz Haleema. Seu escritor favorito é Mo Willems – autor da série “Pigeon” e “Elephant and Piggie” – e ela se interessa bastante por dinossauros, afirma a mãe. Ela sabe diversos fatos sobre os dinossauros e sonha em um dia ser paleontologista e trabalhar com escavação de fósseis. (Sim, a menina de 4 anos sabe a definição a palavra “paleontologista”).

Para desafiá-la – e alimentar seu amor por livros – sua mãe a presenteou com um texto acadêmico intitulado “The Pleasure of Books” de William L Phelps. Daliyah aprendeu tão bem, pronunciando palavras complexas, que sua mãe postou um vídeo no YouTube. (https://www.youtube.com/watch?v=lqheMjWsxbI&t=64s)

Com isso, sua mãe espera que outros pais se sintam estimulados a ensinarem seus filhos a ler desde cedo. Haleema Arana afirma que apresentar os livros aos seus filhos desde cedo fez toda a diferença.

“Ela consegue absorver muitas coisas e reter tudo muito rápido”, afirma Haleema.

Viver em um ambiente bilíngue em sua casa também pode ter contribuído para o vocabulário e a compreensão de leitura de Daliyah. Seu pai, Miguel Arana, é mexicano e costuma falar com a filha em espanhol. Embora Daliyah não saiba falar o idioma com fluência, ela entende muitas palavras e espera conseguir aprender a ler em espanhol, afirmam seus pais.

A ávida leitora já se tornou conhecida em sua cidade. Ela trabalhou como “bibliotecária por um dia” na biblioteca local e já foi até chamada para recitar o famoso discurso “I have a dream”, em uma comemoração do Dia de Martin Luther King Jr.

Sua mãe decidiu entrar em contato com a Biblioteca do Congresso para tentar aprimorar a experiência de “bibliotecária” de Daliyah. A biblioteca respondeu, convidando a família a passar o dia com Hayden.

Enquanto passeava pela seção infantil da biblioteca, Daliyah leu para Hayden e conheceu outros membros da equipe da biblioteca. Quando eles pediram sugestões à pequena bibliotecária, imediatamente ela teve uma ideia, sugerindo que instalassem lousas nos corredores da biblioteca, para que crianças como ela pudessem praticar a escrita.

“Eles disseram que vão tentar fazer isto acontecer”, afirmou sua mãe.

por Samantha Schmidt

Link para a matéria original em inglês: https://www.washingtonpost.com/news/morning-mix/wp/2017/01/12/meet-daliyah-the-4-year-old-girl-who-has-read-more-than-1000-books/?utm_term=.9a78889e4aa7

 

Tradução adaptada: Mariana Zambon Braga

Mari Zambon

 

Nascida no litoral, habitante do interior. Tradutora formada em Letras pela Universidade de São Paulo. Acredita no poder de criar universos inteiros apenas com palavras. Escritora por vocação e realizadora por necessidade. Já traduziu muitos livros, mas ainda não escreveu nenhum.

Página do Facebook : Mariana Zambon Braga 

 

  • Crédito nas imagens : 1) Youtube ; 2) Twitter : Carla Hayden.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *