O diálogo da militância dentro e fora de seu contexto

argument-238529_1920 (1)

Sabe quando você tá com suas amigas feministas no bar, olha ao redor e de repente chega um grupo de rapazes héteros e de comportamento padrão? Você acha isso desagradável? Você não diz nada, mas gostaria que eles saíssem dali? É como se aquela presença fosse visualmente opressiva e desconfortável, e você quisesse ficar longe? Hoje, este texto é sobre empatia e tolerância com a diferença.

“Mas como assim? Você vem falar pra mim, feminista, desconstruída, apoiadora dos movimentos de minoria, que posto todo dia algo em favor das minhas causas, ando com amigos incríveis e totalmente militantes, que eu não estou sendo tolerante?”

Ficar entre iguais, tão desconstruídos quanto nós, com o mesmo tipo de pensamento e defesa, é reflexo de uma postura naturalizada de intolerância com a diferença. Não, eu não estou te pedindo para ir fazer amizade com os machistas e racistas que você conhece, mas estou te dizendo que MUITOS daqueles que reproduzem esse pensamento e essa forma de agir no mundo acham que isso é o natural, o correto e o que as pessoas de bem fazem, pois todo o restante é desvio e ameaça a mim ou a minha família. E talvez a sua postura agressiva não facilite o processo de aproximação dessas pessoas a outras formas de raciocínio. Leia mais… »

Frases Machistas – Podcast Café das Minervas #03

O tema do nosso terceiro podcast é polêmico, mas algo infelizmente rotineiro: as frases machistas que ouvimos. Ao longo do dia ou da vida. De parceiros, amigos, parentes e até de outras mulheres.
No meio de críticas e reflexões, nossas colaboradoras falam de suas experiências pessoais e também do projeto ‘Meu Parceiro Machista’, lançado no segundo semestre do ano passado pela equipe do blog e que reuniu algumas frases abusivas ditas por companheiros de algumas de nossas colaboradoras e seguidoras. Leia mais… »

É lindo ser a gente

 

frances-b6c00a60fa28dbd4f1b61c1c46ab4c28-1200x600

Fazia tempo que uma premiação do Oscar não me deixava tão empolgada quanto a estatueta de melhor atriz para Francis Mc Dormand esse ano. Eu havia assistido Três anúncios para um crime na semana anterior e saído do cinema tão impactada com sua atuação que até esqueci que a Meryl Streep concorria na mesma categoria.

E sobre o discurso dela então, nem se fala :Francis foi sincera, cheia de energia, chamou as mulheres indicadas para se levantarem, colocou a estatueta no chão para ter uma perspectiva melhor. Um momento para ficar na história da cerimônia e apagar a opinião desnecessária do crítico, que na falta de algo melhor a dizer, citou a aparência de Francis como se fosse algo decisivo para a profissional fantástica que ela é. Leia mais… »

Evaporar

averie-woodard-114293-unsplash (1) (Copy)

Da primeira vez que Renata apanhou do marido, o tapa não doeu tanto na carne. O corpo já estava calejado pela vida, pelo peso dos filhos, dos dois empregos, das faxinas. A dor foi dentro, ao ver os olhos enfurecidos do homem que prometera amá-la sem ressalvas. Robson, um cara tranquilo, carinhoso, dedicado. Foi um choque.

Manteve o episódio em segredo, principalmente depois que Robson passou a ser carinhoso como nunca. Era como se naquele dia ele estivesse possuído por algum espírito maligno. Renata rezou, e por dois anos tentou passar uma borracha em sua alma, apagando a marca dos dedos do marido.  Leia mais… »