Sobre leite, mel, gritos e luta

Quando li o título do livro da Rupi Kaur em português, achei estranho o fato de o original Milk and Honey (“Leite e Mel”) ter sido traduzido como Outros Jeitos de Usar a Boca. Como tradutora, sei que essa prática de alterar totalmente os nomes das obras literárias é algo comum quando se adapta um trabalho artístico para outro idioma.

Ainda assim, continuei a pensar que este título adaptado não faria jus a diversas referências, tanto ao leite e ao mel, verbetes recorrentes nos poemas do livro, quanto aos significados históricos e místicos aos quais a expressão “leite e mel” fazem alusão.

Foi só depois de ler as palavras meio doces, meio amargas de Rupi que compreendi esta escolha e achei incrível como o trabalho da tradução enriqueceu ainda mais o significado deste livro tão empoderador.

O silenciamento, que é uma forma de opressão que nos atinge constantemente, é um tema bastante presente na obra da autora. Em seus poemas curtos, impactantes e intensos, ela nos transporta através de sua trajetória afetiva, tão aguerrida e com a qual muitas de nós conseguimos nos identificar.

A dor, o amor, a ruptura, a cura. Um processo que muitas de nós (ou provavelmente todas nós) atravessamos em busca do autoconhecimento e do amor próprio, que costuma se confundir com a entrega e a busca incessante por alguém que venha nos completar. E essa busca do lado de fora não raro, acaba encontrando a repressão da voz que pulsa dentro de nós.

 

Você fala demais

ele sussurra no meu ouvido

conheço jeitos melhores de usar essa boca

……..

Você tinha tanto medo

da minha voz

que eu decidi

ter medo também

medo

rupi poema

rupi poema 2

Quantas de nós já não fomos silenciadas ao dizer alguma coisa, ou ao menos tentar? O silenciamento chega ao nível do absurdo em países como o Irã e o Paquistão, onde o testemunho de uma mulher vale menos do que o de um homem.

Se uma mulher denuncia um caso de abuso, ou qualquer outro crime, que não precisa ser relacionado à violência contra a mulher, seu depoimento precisa ser corroborado por pelo menos duas testemunhas masculinas para que tenha validade.

Quando adultas, nos calamos porque a boca serve para coisas melhores – é o que nos dizem, embora eu não conheça nada melhor do que expressar o que penso, quando e como quero.

Quando velhas, somos condenadas ao silêncio, pois a boca, já murcha e sem vida, fala de sabedorias e histórias e força, e isso não é mais atraente, e mulher não foi feita para isso.

Somos, na velhice, o fruto podre, o mel ressecado, o leite azedo.

A boca da mulher, tão bela e agradável, é vista como um mero receptáculo da vontade masculina. A boca, sempre vermelha e pintada de batom, pronta para ser interrompida pelos lábios ávidos por sorver o mel que deles jorram.

Devemos abrir a boca apenas quando for conveniente para o mundo ou para o prazer alheio.

Rupi, em um ato de coragem visceral e revolucionário, fez exatamente o contrário. Derramou todo o silêncio guardado dentro de si em pouco mais de duzentas páginas ensurdecedoras. É como se, ao usar sua boca para transformar sua dor em arte, Rupi nos abraçasse, mostrando que é possível recuperar a nossa voz em meio a tanto ruído, ainda que a princípio ela seja rouca e tímida.

Ao longo das páginas de Outros Jeitos de Usar a Boca, Rupi nos convida a experimentar uma catarse. De certa forma, seus poemas carregam em si um coro de vozes femininas que, enfim, não precisam mais engolir as palavras ou deixa-las entaladas na garganta.

Aqui, do outro lado das páginas, escuto a voz poderosa que delas ecoa e me fortaleço: não vou mais me calar. O leite e o mel que tenho dentro de mim sou eu quem decido como, onde e para quem irão jorrar. A minha boca foi feita para a luta, para falar tudo aquilo que o peito precisa transbordar.

 

Texto por  Mariana Zambon Braga

Mari Zambon

 

Nascida no litoral, habitante do interior. Tradutora formada em Letras pela Universidade de São Paulo. Acredita no poder de criar universos inteiros apenas com palavras. Escritora por vocação e realizadora por necessidade. Já traduziu muitos livros, mas ainda não escreveu nenhum.

Página do Facebook : Mariana Zambon Braga 

 

Ilustração: Rupi Kaur

Fotos tiradas do livro Outros Jeitos de Usar a Boca, de Rupi Kaur, publicado no Brasil pela Editora Planeta.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *